NATUYU TXICÃO

Natuyu nasceu na aldeia Txicão na Terra Indígena do Xingu em 1987. Tinha 13 anos quando participou pela primeira vez de uma oficina de vídeo. Incentivada pela mãe, de origem Trumai, e pelo pai, Ikpeng, enfrentou o estranhamento da comunidade ao vê-la fazer algo incomum para uma moça. Como ela mesmo conta: “Em 99 eu nem sabia filmar direito, eu tinha vergonha, filmava torto, sem plano, sem nada”. Mas Natuyu não se deixou abater pelas críticas, aprendeu a filmar bem, adquiriu confiança e respeito da comunidade e tornou-se a primeira realizadora mulher. Participou dos filmes Moyngo, o sonho de Maragareum, Pirinop, meu primeiro contato e Som Tximna Yukunang (Gravando som). E também co-dirigiu o documentário Das crianças Ikpeng para o mundo (Marangmotxingmo Mïrang. Participou de festivais e exibições de seus filmes no Brasil e ganhou vários prêmios. A pedido das mulheres xinguanas, tem filmado seus encontros , festas e manifestações. Fez parte da equipe de áudio que gravou o Cd de cantos Yumpuno Eremrï, sobre o ritual de tatuagem das crianças ikpeng. Na escola indígena Ikpeng, onde estuda, apresentou em 2010 sua monografia sobre a história da origem do tempo: Kawo Enmeptowonpïn. Natuyu também participa das produções e atividades da Mawo, a Casa de Cultura Ikpeng, que promove pesquisa, produção e divulgação do patrimônio cultural ikpeng. Em 2009 nasceu sua filha Awoite.

Foto: V.Carelli